Wiill Harvey apresenta The Immortal

The Immortal por Will Harvey é um RPG lendário da Electronic Arts que fez história nos games. Originalmente lançado para Apple IIgs, este clássico épico foi posteriormente portado para vários sistemas, incluindo uma brilhante conversão para o Mega Drive em 1991. Sem dúvida, esta versão é considerada a melhor de todas.

Capa The Immortal Mega Driver

Lançamento: 1990

Plataformas: 1990 (Amiga), 1990 (Atari ST), 1990 (Apple IIgs), 1990 (NES), 1991 (DOS), 1991 (Genesis), 2019 (Antstream), 2020 (Nintendo Switch), 2020 (Linux), 2020 (Windows), 2020 (Macintosh), 2021 (PlayStation 4), 2021 (Xbox One), 2021 (Xbox Series)

Estúdios:Electronic Arts, Inc., Ocean Software Ltd., Piko Interactive LLC, QUByte Interactive Ltda.

Gênero: Ação

Perspectiva: Diagonal para baixo

Visual: Isométrico

Jogabilidade: Elementos de quebra-cabeça

Contexto: Fantasia

Seu mestre desapareceu! Para muitos alunos, essa notícia seria recebida com alegria e braços agitados. Mas para você, isso é diferente. Já passou da idade de usar calças curtas; agora, você veste longos mantos e sabe Deus o que mais por baixo. E essa barba branca? Ela é quase tão longa quanto as mangas do seu traje. Em suma, você chegou àquela fase da vida em que deixa de ser apenas um estudante para se tornar um verdadeiro discípulo.

Então, ao saber que seu mestre e o favorito da classe, um certo Dulric, estão presos a trinta metros de profundidade em uma cidade amaldiçoada, guardada por monstros hediondos e sedentos de sangue, você não se desespera. Em vez de subir nas mesas e gritar "Mordamir, prepare-se para o pior, você não vai sair dessa!", você ergue a barra do seu manto e corre com suas pernas magras em direção às ruínas de Erinoch. Determinada a salvar Mordamir, nem que seja para provar que você seria um discípulo melhor que Dulric.

Claro que The Immortal por Will Harvey não é um jogo de comédia. Aqui, não rimos, sangramos. Os acontecimentos são apresentados de maneira direta, sem rodeios, já que você começa o jogo diretamente na primeira sala da cidade amaldiçoada. A atmosfera do jogo lembra bastante o tom sombrio de O Senhor dos Anéis, como sugerem os nomes dos personagens (Mordor + Boromir = Mordamir). E, assim como não rimos muito durante a leitura de Tolkien (a menos que estejamos sob influências externas), também não há muito espaço para humor aqui.

Seu personagem é praticamente um sósia de Gandalf, empunhando um bastão em uma mão e uma lâmina na outra. Quando ele luta, torna-se um Gandalf em Mortal Kombat. Só imagine!

Em The Immortal, você enfrenta duas raças subterrâneas: trolls e goblins. Quando os encontra, a câmera se aproxima em um close-up sobre um fundo preto, e a batalha começa imediatamente. Este não é um RPG baseado em turnos; aqui, a ação é imediata. Você pode se esquivar para a esquerda ou direita, ou atacar com sua adaga para cortar ou esfaquear. Não há outros movimentos disponíveis.

A cada golpe, pedaços pretos e roxos se acumulam formando um medidor, que representa seu nível de fadiga. Quando o medidor está alto, seu personagem fica menos ativo e mais vulnerável a ataques, exigindo que você ajuste sua estratégia de combate em tempo real para sobreviver.

O truque, que na verdade não é bem um truque porque é descoberto rapidamente, consiste em esquivar-se até que a barra de fadiga do inimigo esteja cheia e, em seguida, atacá-lo sem parar antes que sua própria barra atinja níveis críticos. Depois, basta repetir essa estratégia até a morte do oponente. Todas as lutas podem ser resolvidas rapidamente dessa forma. Isso não estraga a diversão do jogo por dois motivos: ainda há o desafio de executar tudo corretamente, especialmente as esquivas, e o mais importante, The Immortal por Will Harvey é mais um jogo de quebra-cabeças do que de ação pura.

Seria difícil acreditar nisso considerando como as lutas terminam. Quando o oponente tem apenas um ponto de vida restante, você automaticamente o atinge com seu cajado ou espada, resultando em uma morte horrível. A comparação com Mortal Kombat não é acidental. O pequeno Gandalf parece ter assistido a muitos filmes de terror em sua cabana na floresta. Ele adora decapitar monstros, cortá-los verticalmente, queimá-los, esfolá-los vivos, eviscerá-los, reduzi-los a cinzas e eletrocutá-los. Comparado a essas, as mortes suaves parecem até gentis.

Talvez minha morte favorita (sim, todo mundo tem a sua, até mesmo as crianças) seja quando ele improvisa como cirurgião e corta o crânio do inimigo, deixando-o em estado vegetativo, lembrando Hannibal. É brutal e perturbador, mas também incrivelmente satisfatório para aqueles que apreciam o gênero gore.

E não se deixe enganar: enquanto essas lutas intensas e sangrentas prendem a atenção, The Immortal brilha mesmo nos momentos em que você precisa resolver quebra-cabeças desafiadores para avançar. É essa combinação única de combate visceral e quebra-cabeças intrigantes que faz o jogo se destacar e oferece uma experiência envolvente para os jogadores.

Isso nos deixa sonhando. Por que tanto ódio? Nós não sabemos. Essa violência não combina bem com outras passagens do jogo, que são muito mais calmas, pensativas e atmosféricas. A violência é onipresente, às vezes lembrando Prince of Persia, com todas aquelas mortes atrozes que o prisioneiro do sultão provavelmente enfrentaria. The Immortal é uma fantasia heróica. No restante do tempo, quando você não está cometendo um massacre ou sendo alvo de um, você usa suas células cinzentas para resolver quebra-cabeças baseados em objetos, cuja lógica muitas vezes desafia a compreensão. Pode ser óbvio para um programador americano que uma pedra se transforma em uma joia quando coberta de limo, mas provavelmente não para a maioria dos jogadores.

Esse tipo de obstáculo ainda passa, é superável; é preciso quebrar a cabeça e tentar tudo com paciência ou usar uma solução, sempre há uma maneira de ver o fim disso. No entanto, a situação se complica quando sua destreza é testada em algumas fases odiosamente difíceis. Não é tão raro que, ao se afastar de sua mecânica principal para diversificar a jogabilidade, um jogo ofereça sequências desastrosas, muito difíceis ou ridiculamente frustrantes. No caso de The Immortal, são quatro cenas em especial, impiedosas e famosas por isso: o tapete voador, a travessia da sala com os vermes gigantes, o corredor com as aranhas e a perseguição do Norlac. Controle digno de uma bola de pinball, percurso às cegas, essa é a receita da provação.

Essas fases, repletas de desafios quase insanos, testam não apenas suas habilidades, mas também sua paciência. O tapete voador é um pesadelo de reflexos rápidos, onde qualquer erro pode significar a morte instantânea. A sala dos vermes gigantes exige um planejamento meticuloso, pois uma movimentação errada resulta em uma morte grotesca. No corredor com as aranhas, você precisa de precisão cirúrgica para evitar ser enredado e devorado. E a perseguição do Norlac... bem, é uma corrida contra o tempo e a própria morte.

Apesar dessas dificuldades, The Immortal mantém seu charme e desafio, exigindo tanto habilidade quanto pensamento crítico. É essa combinação de elementos que torna o jogo uma experiência única e inesquecível para os gamers que se atrevem a enfrentar suas provações. Se você está à procura de um jogo que te faça pensar e também te deixe no limite do seu assento, The Immortal por Will Harvey certamente é uma escolha que vale a pena.

Não é por acaso que essas passagens tensas, que farão você odiar este título por ter que tentar de novo e de novo, estão espalhadas pelos níveis quatro a sete. Elas existem para bloquear e atrasar você em um jogo equilibrado, mas muito curto. Lawrence Block contou-nos cerca de oito milhões de maneiras de morrer. Na capa, em vez de um resumo, The Immortal se orgulha de conhecer trinta, mas também de conter cinquenta salas. Se entendemos o desejo de promover mortes sangrentas, nos perguntamos por que razão se vangloriam de cinquenta cenários. Solstice no NES, que compartilha alguns pontos em comum com The Immortal, incluindo a visão isométrica, tinha 250 salas. Ele também se gabou disso na parte de trás da caixa, mas com razão. Moral da história: se você mora em um apartamento de dois cômodos, não vá imprimir isso nas costas de uma camiseta, você vai parecer um idiota.

The Immortal vem dos computadores. Will Harvey, cujo nome está na capa, é um pequeno programador prodígio que vendeu seu primeiro jogo aos quinze anos. Mas como muitos prodígios, depois de um início de vida deslumbrante e de ter assinado um último grande jogo, The Immortal por Will Harvey, ele voltou a ser um simples mortal, um anônimo. A conversão de seu hit para Mega Drive é de boa qualidade. A animação se destaca pela atenção aos detalhes e pela variedade em situações mortais; provavelmente são mais de trinta mortes quando incluímos as animações das cenas de combate e as da visão isométrica de ponta a ponta.

A jogabilidade de The Immortal é desafiadora, uma verdadeira prova de paciência e habilidade para qualquer gamer. A mecânica de combate é brutal, exigindo precisão e estratégia. Esquivar, atacar e monitorar a barra de fadiga do inimigo se torna uma dança mortal que deve ser dominada. Cada sala é um quebra-cabeça a ser resolvido, com armadilhas mortais e inimigos prontos para acabar com sua vida. A cada morte, você aprende um pouco mais, ajustando sua abordagem até conseguir avançar.

A ambientação do jogo é sombria e atmosférica, evocando uma sensação de perigo constante. A cidade amaldiçoada e suas masmorras estão repletas de detalhes macabros, desde cadáveres empalados até rios de sangue, criando uma experiência imersiva e angustiante. As animações de morte são um espetáculo à parte, com execuções horríveis que variam desde decapitações até ser desmembrado por monstros grotescos. É uma lembrança constante de que The Immortal não é para os fracos de coração.

Além disso, o sistema de alquimia adiciona uma camada extra de complexidade ao jogo. Coletar ingredientes e criar poções é essencial para sobreviver aos desafios, e descobrir as combinações corretas pode ser a diferença entre a vida e a morte. É um recurso que incentiva a exploração e o experimentação, recompensando os jogadores curiosos e atentos aos detalhes.

Em resumo, The Immortal é um clássico que desafia a habilidade e a paciência dos jogadores, com uma combinação de combate brutal, quebra-cabeças engenhosos e uma atmosfera opressiva. É uma experiência única que, apesar de suas frustrações, proporciona uma satisfação imensa ao superar seus desafios. Se você está em busca de um jogo que teste seus limites e ofereça uma boa dose de adrenalina, The Immortal é uma escolha obrigatória.

É uma pena que a animação não tenha oportunidade de brilhar em algumas situações menos macabras, e principalmente uma pena que os gráficos fiquem muito aquém do esperado! Mesmo acostumando-nos ao tamanho dos sprites, a falta de identidade visual das salas continua a nos frustrar. A música também não ajuda muito, utilizando os instrumentos menos convincentes do console. A trilha sonora é predominantemente ambiental, silenciosa e perturbadora, mas não consegue nos envolver da maneira que esperamos, falhando em criar a atmosfera imersiva necessária.

O que realmente decepciona em The Immortal é o senso de grande potencial não realizado. Existem ideias interessantes, como a mecânica de adormecer na palha para recuperar pontos de vida e aprender detalhes da história através de sonhos escritos, mas elas são poucas e mal exploradas.

Isso é o que mais frustra em The Immortal. Sentimos que o jogo tinha tudo para ser uma obra-prima, se sua fórmula tivesse sido plenamente explorada. No estado atual, não é surpreendente que o jogo tenha se tornado apenas uma lembrança entre retrogamers hardcore. Está claro o que seria necessário: mais níveis, uma interface menos restritiva, maior cuidado arquitetônico, dificuldade e quebra-cabeças mais bem pensados, e menos ênfase nas mortes grotescas. A constante atenção às animações de morte, apesar de impressionantes, acaba dando um gosto amargo, como uma piada adolescente que vai longe demais.

Os ingredientes estavam todos lá para criar uma verdadeira pérola de fantasia heroica nos videogames, mas faltou ambição. O jogo nos deixa sonhando com o que poderia ter sido – um épico com uma narrativa envolvente, gráficos mais detalhados e uma trilha sonora que realmente capturasse a essência do perigo e da aventura. Apesar das falhas, The Immortal por Will Harvey ainda se destaca pela sua brutalidade e desafio, oferecendo uma experiência única para aqueles dispostos a enfrentar suas frustrações e mergulhar em seu mundo sombrio.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *